Residência Médica

Acesso à Residência Médica em Cirurgia Cardiovascular

A primeira geração de cirurgiões cardiovasculares foi formada por oriundos da Cirurgia Geral, que aprendeu a operar corações visitando outros Serviços no Brasil e no exterior. A próxima geração fez Residência Médica de dois anos em Serviços que faziam cirurgia cardiovascular.

A Residência em cirurgia foi criada por William Halsted em 1889, na Johns Hopkins University. No Brasil a primeira Residência Médica como nós a concebemos atualmente, foi criada em 1945 no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), sendo uma Residência em Ortopedia. A primeira Residência em Cirurgia Geral foi criada em 1948 no Hospital dos Servidores do Estado, no Rio de Janeiro.

A Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) foi criada em 5 de setembro de 1977, sendo o órgão regulador das Residências Médicas no Brasil. Em um período inicial, no final dos anos setenta e nos anos oitenta, a Residência em Cirurgia Cardiovascular era de quatro anos sendo o primeiro ano em Cirurgia Geral. Dos anos noventa em diante, a Residência em Cirurgia Cardiovascular passou a ser feita em quatro anos com o pré-requisito de dois anos em Cirurgia Geral. Este tipo de programa copiava, com modificações, o programa americano que contempla cinco anos em Cirurgia Geral e dois ou três anos em Cirurgia Cardiovascular.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV) criou o curso de especialização que exige quatro anos de Cirurgia Cardiovascular sem necessidade do pré-requisito em Cirurgia Geral. Através da Resolução nº 2, de 17/05/2006 do MEC, os Programas da CNRM e da SBCCV foram unificados sendo a única diferença a necessidade de pré-requisito.

Desde os anos sessenta, o professor Norman Shumway capitaneou a ideia de não haver necessidade do treinamento prévio em Cirurgia Geral para se formar cirurgiões cardiovasculares qualificados e criou na Universidade de Stanford um Programa com acesso direto de cinco anos em cirurgia cardiovascular, com proeminentes cirurgiões. Na última década, esta ideia prosperou e passou a existir nos Estados Unidos o Programa Integrado em Cirurgia Cardiovascular, com duração de seis anos, sem Cirurgia Geral prévia.

A Cirurgia Cardiovascular mudou muito nos últimos anos, rumando para procedimentos minimamente invasivos, cirurgia endovascular, implante de válvulas percutâneas, cirurgia por vídeo, cirurgia robótica, etc. Outras competências passaram a ser necessárias, tais como habilidade com cateteres, conhecimento apurado de métodos de imagem e cuidados pré e pós-operatório. As habilidades aprendidas em Cirurgia Geral passaram a ser supérfluas para a formação do cirurgião cardiovascular.

Dentre as razões para abolir o pré-requisito em Cirurgia Geral listamos:

  1. O Programa de Cirurgia Geral, a partir de 2018 terá a duração de três anos.
  2. Havia uma grande evasão de candidatos à Cirurgia Cardiovascular após cursar os dois anos de Cirurgia Geral
  3. Há a necessidade de se aprender novas competências e isto exige tempo.
  4. Vários estudos demonstram que com a diminuição da procura pela
  5. especialidade, haverá falta de cirurgiões cardiovasculares nos próximos dez anos, sendo este o principal fator desencorajador.
  6. As habilidades aprendidas em Cirurgia Geral também podem ser adquiridas com o treinamento direto em Cirurgia Cardiovascular.
  7. Cirurgiões treinados com (CNRM) ou sem (SBCCV) o pré-requisito em Cirurgia Geral têm igual desempenho quando oriundos de Serviços de excelência.

Com base nestes argumentos, a SBCCV lutou pela abolição deste pré-requisito durante muito tempo. A CNRM, calcada nas modificações sofridas pela Cirurgia Cardiovascular na última década concordou com nossa argumentação e, a partir de 2018, não mais será exigido pré-requisito em Cirurgia Geral, passando nosso Programa a ter acesso direto, podendo ser iniciado logo após a graduação em Medicina. Como há necessidade de aprendizado de novas habilidades e o tempo de formação de um cirurgião é longo, o novo Programa em Cirurgia Cardiovascular será de cinco anos.

Na Ata da 5ª Sessão Ordinária da CNRM, em 18 de maio de 2017, foi aprovada a matriz de competências do Programa de Residência Médica em Cirurgia Cardiovascular, com cinco anos de treinamento, com acesso direto a partir de 1º de março de 2018.

O Programa de Especialização da SBCCV acompanha estas modificações e também será feito em cinco anos, mantendo o acesso direto.

A Diretoria da SBCCV considera terem sido estas modificações do Programa de Residência em Cirurgia Cardiovascular um grande passo para que possamos formar ainda melhor os residentes da CNRM e os nossos cirurgiões treinados nos Programas da SBCCV.

 

Prof. Dr. Henrique Murad
Diretor de Educação SBCCV

Ata Plenária MEC - CCV 5 anos - aprovação 18.5.17

Acesse os links:

  Informe Cirurgia Cardiovascular
  Matriz de Competências dos Programas de Residência Médica de Cirurgia Cardiovascular
  Ata Plenária

112.651

Acessos ao site

Eventos



  • Academia SBCCV
  • Evento Nacional
  • Evento Internacional